6 Maio 2022

10 minutos com o Papa Francisco

Oceania
Format: Texts & Image
Type: Communication, Consultation Method
Organisation: Archdiocese / Diocese

A Diocese de Parramatta em Nova Gales do Sul, Austrália, sob a liderança do bispo Vincent Long Van Nguyen, convidou os católicos LGBTQIA+ para uma conversa para o Sínodo dos Bispos com a pergunta: “Se tivesses 10 minutos com o Papa Francisco, o que lhe dirias?”  Um grupo reuniu duas vezes e apresentou uma declaração à diocese, que será mais um contributo para a síntese global diocesana.

A declaração assinala que “a dor, o sofrimento, o silenciamento e ostracismo que os católicos LGBTQIA+ viveram e ainda experienciam por parte da nossa igreja, chama-nos urgentemente para esta viagem sinodal. Em vez de ser um refúgio para todos, algumas experiências fazem frequentemente com que os católicos LGBTQIA+ e as suas famílias se afastem da Igreja à medida que se sentem abandonados pela sua comunidade de fé. Estas experiências dolorosas acrescentam ainda mais trauma e dor, fazendo com que muitos católicos LGBTQIA+ desesperem, alimentando o ódio a si mesmos e, para alguns, tragicamente, a autoagressão”.

A declaração continua: “para ser uma Igreja verdadeiramente inclusiva, sabemos que muitos católicos afirmam que deve haver um diálogo corajoso e aberto, seguido de uma viagem ministerial ativa e intencional. Os católicos LGBTQIA+ estão a servir em cada parte e nível da Igreja que amamos, mesmo quando partes da Igreja ignoram deliberadamente as nossas realidades, as nossas histórias e mesmo a nossa existência. O caráter sagrado das famílias LGBTQIA+, as nossas relações amorosas e cheias de fé, os nossos filhos e comunidades são sinais do amor incondicional e da providência de Deus”.

Diante do desejo de afirmar uma teologia, uma abordagem pastoral e a possibilidade de ministérios LGBTQIA+, é também feita uma acusação clara: “Nas últimas décadas, os ministérios católicos afirmação LGBTQIA+, a teologia de afirmação e as abordagens pastorais têm sido frequentemente excluídos dos ministérios oficiais da Igreja. A linguagem nociva que não é pastoral é usada como arma para abusar das pessoas LGBTQIA+. Estes ministérios, teologias e abordagens pastorais devem ser dotados de recursos e promulgados de forma ampla e corajosa. Os termos que atribuem a homossexualidade como ‘intrinsecamente má’ e ‘objetivamente desordenada’ devem ser eliminados do léxico da nossa Igreja”.

A conclusão é encorajadora: “Quando os católicos LGBTQIA+ são ativamente acolhidos, valorizados e afirmados pelo que são, são encorajados e capacitados para viver as suas vidas de forma autêntica, e a florescer como povo de Deus. É isto que significa caminhar juntos como uma Igreja sinodal, como um Corpo de Cristo”.

Ver o documento completo.

[GTranslate]